GURPS Cartas Selvagens no Brasil, uma adaptação do cenário para as terras tupiniquins...

"06 de outubro de 1946 - O dia conhecido como “Dia da Rainha Negra”, um domingo meio nublado que não impediu que os cariocas fossem as areias de Copacabana ao som de “Copacabana” de Dick Farney. Embora as notícias do vírus Carta Selvagens nos EUA tenham sido recebidas com certa apreensão no início, com a informação posterior de que o vírus não era contagioso, as autoridades e a população brasileira não tinham com que se preocupar e relaxaram.  

Ninguém imaginaria que uma tragédia estava por vir.  Dizem que tudo começou como uma pequena precipitação de chuva por volta das 11 horas da manhã. Logo pessoas entrando em combustão espontânea, braços viravam tentáculos, novas cabeças nasciam, algo digno de qualquer filme de terror. Infelizmente as vítimas não se limitaram às praias da elite carioca: vitimados já pela inércia dos governantes, os moradores das favelas foram os mais atingidos. 

Chocados com a cena, o pânico logo tomou conta na cidade. Na confusão pessoas foram pisoteadas, crianças perderam-se de seus pais, milhares de mortos e centenas de feridos. O caos reinava nas ruas. 8 mil pessoas tiraram a Rainha negra, 1.200 se tornaram coringas e algumas dezenas ases."

Cartas Selvagens (Wild Cards) é um cenário baseado na série homônima de livros  compilados por George R.R. Martin. Apareceu pela primeira vez como cenário pelo Sistema GURPS, no livro SUPERS (3º edição). Veio inclusive como uma revista em quadrinhos relatando uma breve estória, apresentando os personagens principais.




Ele se passa em um mundo alternativo em que os super-heróis existem e a estória da humanidade foi  reescrita pela sua presença: Gandi não morreu. Fidel Castro não se tornou ditador. Tom Jobim não compôs Garota de Ipanema!

Um vírus alienígena liberado na atmosfera da Terra causou mutações que mataram centenas de milhares de pessoas, transformaram aqueles que sobreviveram ao virus em aberrações e alguns poucos privilegiados adquiriram poderes fantásticos!



"O vírus Carta Selvagem funciona alterando completamente DNA da vítima. Tem sido teorizado que o processo é guiado pelo próprio subconsciente da vítima, influenciado pelos desejos ou medos da  pessoa. Desta forma, o vírus funciona como uma lâmpada de Aladim moderna. A transformação é extremamente indivídual, cada pessoal é afetada de modo único. Em 90% dos casos, o corpo da vítima não consegue assimilar as mudanças extremas, e a pessoa morre horrivelmente. Esses casos são chamados rainhas negras. Dos sobreviventes, 9 em cada 10 mudam para pior, tornando-se criaturas monstruosas apelidados de coringas.. Miraculosamente, 1% dos infectados são alteradas para melhor, os ases, e tornar-se, dotados de capacidades físicas ou mentais sobre-humanos."

Surgiram heróis como Kid Dinossauro, capaz de se metamorfosear em dinossauros; Tomas Tudbury (o Tartaruga) o maior telecinético do mundo; Fortunato, um às que se utiliza do sexo tântrico para alimentar seus poderes, o mais poderoso mago da Terra! É claro que vilões também apareceram como o Astrônomo, sua forma de um velho decrépito escondia a habilidade de absorver a energia vital e poderes dos seus inimigos, permitindo realizar várias proezas: projeção astral, sensitividade, precognição, controle da mente, a capacidade de apagar seletivamente lembranças, vôo, invisibilidade à sentidos visuais e mentais, a supressão de qualquer poder carta selvagem, forçar os campos e as paredes de forças menores, telepatia e uma variedade de explosões de energia. 

Mas, talvez o pior inimigo de todos que lutam pela liberdade foi um homem: Getúlio Vargas!

Sim, o grande homem da política braisleira, nessa realidade alternativa, não morreu, o poder Carta Selvagem deu a ele o poder da imortalidade e de ver o futuro!. Ele logo percebeu o seu papel principal na história do Brasil; por meio de suas maquinações ele angariou aliados, derrubou inimigos e finalmente, promoveu um contragolpe contra a Intervenção Militar de 64. Dissolveu o Congresso e estabeleceu uma ditadura dos Ases no Brasil que vem durando por cinquenta anos!

Sua mente brilhante e sua literal visão do futuro permitiu transformar o Brasil em uma potência econômica maior que a China. Mas a que preço? Em 17 de março de 2005, o Grande Apagão causado por um vírus liberado pelo grupo recém chamado de Ciberases revelou ao mundo a insatisfação do povo que, até aquele momento, era  contida pelas pesadas mãos da polícia de Vargas. Chamados de Terroristas pela Mídia de Vargas, foram perseguidos (muitos foram presos) pelos asseclas do Estado Supremo.

Mas a guerra pela liberdade não acabou! E no meio da luta entre ases Pró e Contra Vargas, está um grupo de mercenários (nossos heróis) que fazem qualquer coisa para aqueles que pagarem mais... Mas até quando permanecerão neutros nessa batalha pela liberdade? Até quando não tomarão partido?


Para conhecer mais sobre o Cenário Cartas Selvagens no Brasil clique AQUI.

Comentários

  1. Interessante. Essa adaptação leva em conta a história "O Reciclador"? É uma trama oficial da série ambientada no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade quando eu elaborei o cenário eu não conhecia o Reciclador. Mas está nos meus planos ler o livro...

      Excluir
    2. Complementando, o cenário foi elaborado em 2015 e o livro é de 2017. Mas com certeza como disse antes pretendo ler!

      Excluir
    3. Massa. Infelizmente minha experiência com o GURPS em Cartas Selvagens não passou da leitura do GURPS Supers por conta de na época eu ficar bem perdido devido a extensa cronologia do cenário espremida num livro tão pequeno.

      Excluir
  2. Parabéns pela adaptação. Muito boa!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas